Marllus
Marllus Analista de TI, mestre em politicas publicas, professor, artista digital e aspirante a tudo que lhe der na telha.

Aos que não se adaptam às mudanças radicais e aos que acreditam que sim

Aos que não se adaptam às mudanças radicais e aos que acreditam que sim
Photo by Entre Sabores

Mudar o mundo aos poucos,
Suavemente,
Alterar o curso do rio com a mão,
Tampar o sol com uma lente que vai escurecendo…

Prossigo novamente com uma pergunta: É provável mudar o mundo com pequenas ações? Ou (sem desmerecer a primeira pergunta) não há micro ações que justifiquem este eclipse?

Provavelmente deve estar se perguntando o porque de uma pequena poesia (em forma de pseudo poema) seguida de uma prosa meio fajuta sobre indagações mundanas, não?

Não se importe com o estilo. Afinal, o ‘fazer refletir’ é o que interessa.

Gosto de falar com pessoas sobre diversos assuntos, desde o pão com fermentação natural banhado na manteiga clarificada até a última publicação científica sobre o impacto do fruto da árvore Neem na reprodução de pássaros na Brasil. Mas, o melhor deles é, sem dúvida, sobre mudanças. Mudanças e seus impactos. Um emprego novo, uma nova ideologia, um novo autor, livro, um novo olhar sobre as coisas que lhe rodeiam ou até um novo jeito de tentar mudar. Uma nova história.

O radicalismo é perfeitamente intendível. Não há espaços para retórica, pois a sua luta é direta e chocante (para o bem ou para o mal). O moderado, na maioria das vezes, é associado a uma lesma: lento e escorregadio e que só parece criar um ciclo sem fim (de pretensões). Mas, afinal, o quão ruim é ser comedido nas mudanças? Ou seria melhor perguntar qual a melhor forma de se ter representatividade nas ações para uma mudança plena, sendo ameno ou radical? Não se sabe…

Argumentos em defesa de um ou outro existem. Mas, sendo radical, no sentido malafaiano de ser, é difícil compreender outras ideologias não radicais ou opostas à primeira. Radicalismo pressupõe intransigência. Intransigência pressupõe habilidades para se quebrar paradigmas. Ora, a mudança está rodeada dessas quebras, não? Essa é uma das faces do radicalismo: o choque.

Soluções de longo ou curto prazo são as que pesam no olhar de quem está para escolher qual das duas vai tomar para si e seguir adiante. Ou melhor, o desafio de tentar mudar como formiguinha leva a auto exclusão da opção a longo prazo, gerando, como consequência, a falsa ideia da obrigatoriedade de quebrar tudo para a face virar completamente.

Cito a questão do gado e o efeito estufa.
A solução imediata para o problema da emissão de Metano (CH4) pela criação de gado está em acabar com a indústria da carne bovina no mundo?
Sacrifique todos os animais confinados ou solte-os nos campos verdes das florestas (para morrerem), mesmo deixando para depois a proposta da solução do que fazer daí em diante.

Outra solução possível é a que Joel Salatin está realizando na fazenda Polyface. Esse plantador de capim (como o próprio se intitula), põe em prática a ideia da pecuária neutra usando técnicas de sequestro de carbono na utilização e manutenção de pasto contínuo e rotatividade da terra com outros seres, além disso, esse reciclo de terras promove a criação de novos solos (por meio do processo de adubação de baixo para cima e todo o resto promovido pela diversidade envolvida no processo (este nem de longe se daria de forma tão rápida ou produtiva sem a presença desses ruminantes) Galinhas, porcos, vacas, perus, coelhos, insetos, larvas, fungos, bactérias, todos eles tem uma função bem definida dentro desse ecossistema, plural, progressista e, de quebra, cíclico e ameno (nada radical).

Lógico, se eu comparar com os sistemas de confinamento ou os CAFO’s de produção terei uma enorme quebra de paradigma no que tange à produção agropecuária. Mas, a questão aqui não é essa, e sim a possibilidade da escolha da mudança gradual ao conceito do complexo militar-industrial de Eisenhower.
A PolyFace vem praticando essa mudança há anos, com sucesso.

Galinhas em interação social na Fazenda Polyface.
Galinhas em interação social na Fazenda Polyface.


Outra questão é a da alimentação.
A ideia da comida saudável está intrínseca no ar, e surgiu primeiro como uma tentativa de conter surtos de veneno em frutas e vem se tornando cada vez mais gourmet (o selo orgânico dita as regras), virando sinônimo de comida cara e que pobre não pode comprar.

Alimento orgânico para os ricos e transgênicos para os pobres.
Alimento orgânico para os ricos e transgênicos para os pobres.


Ao invés de comprar no supermercado ou budega da esquina o arroz e o feijão que você come no seu dia, investir em um sistema de produção mais sustentável comprando (nem que seja um cheiro verde) em feiras agroecológicas ou direto de produtores que compartilham desse princípio é também matar um leão por dia, mesmo que no seu jantar ainda tenha um cuscuz feito com milho transgênico que cresceu imerso à veneno, ou até mesmo se o coxão mole do seu próximo strogonoff for de um boi que passou férias quase intermináveis em um confinamento perdido no centro-oeste brasileiro.

Confinamento de gado de corte (chamado de CAFO nos EUA).
Confinamento de gado de corte (chamado de CAFO nos EUA).


O ato de fazer sua parte pode parecer pequena, mas tem grande impacto. E não vou nem falar do efeito ‘de grão em grão’, mas do impacto pessoal da sua ideologia em outras pessoas, sobreviventes desse mundo.
Sabe a teoria das janelas quebradas? Pois é, analogando seu princípio, um dos tipos de influência ideológica que mais ocorre pelo senso comum são as práticas contínuas de mudança social, onde as culturas vão se modificando através da percepção do outro, influenciado por atos alheios a ele. Seja descontentamento, ambição, alegria ou desprezo, você vai atrair os mais diversos olhares com a proposta de hábitos novos ou reciclados.

“O sistema cultural não é um sistema fechado, antes vai crescendo e transformando-se com o contributo intelectual e artístico dos homens e mulheres de cada tempo e lugar. Sendo um fenômeno participado, que concretiza a forma de expressão e de realização de um grupo, cada geração irá dar-lhe o seu contributo ao encontrar novas formas e idealizar outros valores, ao inventar outras formas de relacionamento e ao criar novas tecnologias.[1]

Acredito também nas mudanças radicais, porém, para se ter validade na manutenção de um ambiente coletivo e progressista, todas têm de ter como base os princípios e direitos humanos universais (ou pelo menos não subvertê-los). Um sistema de mudança que leva consigo estes princípios pode ser colocado em prática, chocando ou não.

A enorme fatia mundial de deslizes humanos não está no ato de tentar praticar algo que você não sabe se vai dar certo, mas, de supor que uma solução não abrupta será pior que não fazer nada.

Paçoca sendo batida no pilão. Chocante.
Paçoca sendo batida no pilão. Chocante.